Mergulho cultural em Corumbá

O percussionista peruano Lucho Solar integrou o show América Contemporânea! Ele é um dos maiores tocadores de cajon da atualidade e ainda dança muito. O cara quebrou tudo e fez a cabeça da platéia! Na foto ainda dá para ver (esquerda para a direita) o pianista Benjamin Taubkin, o rabequeiro Siba e o compositor argentino Carlos Aguirre de vermelho. Neste dia estava chovendo muito e tivemos de levar os shows para o Clube Corumbaense. Foi uma adrenalina, mas o improviso deu resultado e um show foi melhor do que o outro. Tocaram neste dia: Rigoberto Arévalo y Su Trio de Siempre (PARAGUAI); América Contemporânea (nove artistas de 7 países sul-americanos); Renato Borguetti (BRASIL) e o genial Puerto Candelaria (COLOMBIA).

Eu simplesmente não consegui parar em frente de um computador em Corumbá. Ou eu coordenava a música do Festival América do Sul ou parava para escrever. Tive q ficar com a opção 1. Mas a memória tá fresquinha e quero compartilhar a experiencia de ter participado deste evento pelo terceiro ano consecutivo.

A verdade é que a chuva deu um trabalhão nos três primeiros dias do Festival. Foi uma loucura que fez a gente rebolar literalmente. Aviões não desciam em Corumbá. Isso fez com que Lulu Santos, por exemplo, tenha ido de carro (500km) de Campo Grande a Corumbá. Tivemos de cancelar os shows de domingo tb e transferir os shows de segunda para o Clube Corumbaense para que a chuva não estragasse mais a festa. Só na terça o sol raiou. Mas para falar a verdade, quando isto aconteceu, já estava com a cabeça feita.

Sim, mais uma vez, o Festival América do Sul chapuletou, chapou a minha mente.

Foram muitos momentos mágicos, mas por enquanto não vou aprofundar a questão. Só quero dizer que o show do América Contemporânea com 9 músicos de países diferentes da América do Sul e o grupo Puerto Candelária, da Colombia, me fizeram mais uma vez ter certeza que no nosso continente se faz a música mais rica do mundo. E com certeza é o principal elo de integração entre a gente.

Sim, nós brasileiros, somos sul-americanos também.

Aos poucos vou postando aqui as minhas memórias, já que o diário do Festival foi impossível de fazer.

intéeeeee

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s